Arquivo

Archive for the ‘INFORMATICA’ Category

Apps para sistema Android lembram o usuário de realizar diferentes tarefas do dia a dia

Apps estão disponíveis para aparelhos com sistema Android

Se você é uma pessoa que tem dificuldade de lembrar detalhes do dia a dia – como colocar o guarda-chuva na bolsa antes de sair casa – mas, por outro lado, nunca esquece seu smartphone, saiba que alguns aplicativos podem ajudar a equilibrar sua rotina.

O caderno Link, do jornal O Estado de S. Paulo, fez uma lista com cinco apps, disponíveis para aparelhos com sistema Android,  feitos especialmente para ajudar pessoas esquecidas.

Na lista, há serviços para lembrar das contas pendentes, de recarregar o celular, entre outros.

Confira:

Charging Reminder – Este app é um lembrete que ajuda o usuário a controlar melhor a bateria, informando quando este deve colocar o telefone para carregar. Grátis.

Umbrella Reminder – Este app consulta a previsão do tempo e ajuda o usuário a se lembrar do guarda-chuva. Grátis.

Bills Reminder – Boa ferramenta para quem deseja organizar seu sistema pessoal de contas para pagar, este aplicativo permite que o usuário registre as despesas, valores e formas de pagamento. Quando chega data de vencimento, o celular exibe um alerta. Gratuito.

Car Maintenance Reminder Pro – Este app ajuda o usuário a se lembrar da manutenção do carro. Informa sobe a necessidade de troca de óleo, alinhamento e balanceamento, troca de filtros, entre outros. R$ 6,16 no Google Play.

fonte: jornal Estado de São Paulo

Internet: Google cria Street View para museus

Art Project reúne imagens de 17 museus; acima, o Palácio de Versailles, na França

O Google anunciou o Art Project, ferramenta no mesmo modelo do Street View que permite ao usuário passear por obras de artes instaladas dentro de museus.

A navegação começa a partir da escolha de um dos 17 museus fotografados para o projeto. Entre eles, estão o Alte National Galerie, em Berlim, o MoMA, em Nova York, o Palácio de Versailles, na França, a Galeria Nacional, em Londres, entre outros.

Em seguida, é possível “passear” pelos pavilhões dos museus e visualizar as obras de arte. A resolução das imagens é similar as do Street View.

A navegação também pode ser feita pelo nome das obras, listadas em um menu no alto da página. Nesse caso, cerca de 1 000 obras são exibidas com alta resolução – as imagens podem ter até 7 bilhões de pixels, de acordo com o Google.

O serviço também permite aos usuários criarem suas próprias galerias, salvando suas obras preferidas.

As imagens foram capturadas por câmeras instaladas em um pequeno carrinho que trafegou por dentro dos museus. Por enquanto, nenhum museu brasileiro faz parte do projeto.

Acesse o Google Art Project no Downloads INFO.

Fonte: Info

Categorias:INFORMATICA

Anatel multa usuário por dividir rede Wi-Fi

SÃO PAULO – A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) multou um morador de Teresina (PI) por compartilhar sua rede Wi-Fi com outros três vizinhos.

A multa administrativa aplicada pela Anatel será de R$ 3 mil e que deve ser paga em até 15 dias, de acordo com informações do portal 180 Graus.

A Anatel tomou conhecimento do caso em setembro de 2010 e foi até o local para averiguar. Ao constatar a conexão compartilhada, apreendeu os equipamentos e multou os usuários.

Segundo os acusados, a Anatel ao constatar a situação lavrou um auto de infração e apreendeu computadores e roteadores, o que para a defesa dos usuários é um ato ilegal da agência, pois a mesma não tem poderes de polícia e nem possuía mandados. A Anatel, por sua vez, afirma que apreendeu apenas um rádio-transmissor operando na faixa de 2,4 GHz e uma antena omni-direcional.

O usuário foi notificado e multado por estar prestando serviços de provedor de acesso à internet sem a autorização da Anatel.

A defesa dos acusados alega que os vizinhos são amigos e cidadãos de baixa renda, que partilharam a assinatura e mensalidade do serviço de internet da Oi e compartilhavam o sinal por meio de um roteador wireless, para baratear os custos da conexão.

Desta forma, segundo os advogados de defesa, não fica caracterizada uma ação comercial dos acusados como acusa a Anatel, pois eles dividiam os valores do serviço e não cobravam nada a mais por isso.

“Na Lei Geral das Telecomunicações está previsto que a autorização da Anatel serve apenas quando se pretende explorar o uso para fins comerciais, o que não era o caso. A resolução 272 dessa Lei afirma que para se caracterizar um comércio é necessário a existência de contratos firmados entre provedor e cliente. Entendemos essa ação como ilegal, pois a agência estaria até mesmo restringindo o compartilhamento de um link entre vários usuários dentro de uma mesma residência”, expõe o advogado Paulo Gustavo Sepúlveda, da empresa Viana e Viana Advocacia, que representa os acusados.

De acordo com a lei, é permitido ter redes wireless entre residências distintas, mas sem que haja cunho comercial e que o usuário possua uma licença do tipo “Serviço de Rede Privado” que custa R$ 400. A licença comercial para provedor de Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) tem maior alcance e custa R$ 9 mil.

A lei aponta também que conexões sem fio não devem ultrapassar a área do local que contratou o serviço, mas especialistas afirmam que, embora a Anatel tenha como obrigação fiscalizar este tipo de situação para impedir comércios ilegais e uso inadvertido de frequências de sinais, a agência deveria antes de multar pedir que o usuário se regularizasse.

Por meio de comunicado, a Anatel afirmou que identificou muitos usuários conectados a essa rede descoberta em Teresina, inclusive por residências mais distantes, caracterizando um serviço de provedor de acesso.

“Por meio de software de monitoramento, os fiscais da Anatel detectaram diversos usuários conectados ao provedor, inclusive de residências mais distantes. Estas e outras provas foram essenciais para constatar a exploração comercial do serviço sem autorização, infringindo os artigos 131º e 183º da Lei Geral de Telecomunicações. A Anatel ressalta que é dado ao autuado o direito de ampla defesa, e que nenhuma penalidade é aplicada sem direito ao contraditório”, afirmou a Anatel.

Ainda cabe recurso administrativo da defesa para a anulação do processo.

Fonte: Info

Categorias:INFORMATICA

Google e Twitter criam acesso alternativo à internet no Egito


Após o governo do Egito bloquear o acesso a redes sociais e aos serviços de internet na última semana, o Google se uniu ao Twitter para criarem uma espécie de conexão alternativa pelo telefone.

De acordo com informações da AFP, as duas empresas, em parceria com a SayNow – especializada em plataformas de voz para a web – disponibilizaram um serviço em que qualquer pessoa consegue publicar em seu perfil no Twitter deixando uma mensagem em três números telefônicos.

As mensagens de voz são convertidas instantaneamente em mensagens de texto do microblog. As frases, identificadas com a hashtag “#egypt”, também poderão ser ouvidas caso a pessoa ligue para os mesmos números ou pelo perfil @speak2tweet.

O diretor de produtos do Google no Egito, Abdel-Karim Mardini – que também é co-fundador da SyNow -, declarou que o novo tipo de acesso a rede foi desenvolvido para ajudar os internautas egípcios. “Como muitos, temos acompanhado atentamente as notícias do Egito e pensamos no que poderíamos fazer para ajudar as pessoas no local”, disse.

Os serviços de internet no Egito saíram do ar na última sexta-feira (28), após terem apresentado lentidão acima do normal na quinta (27). Além disso, o governo já tinha bloqueado o acesso ao Twitter e Facebook , como forma de evitar novas mobilizações de opositores do regime do presidente Hosni Mubarak – que está há 30 anos no poder.

O país enfrenta protestos desde a última terça (25). A rede árabe de TV Al Jazeera, que realizava ampla cobertura das manifestações de rua, teve suas operações suspensas pelo Ministério da Informação egípcio no domingo (30). Seis jornalistas da emissora foram colocados sob custódia na segunda (31) e liberados no mesmo dia.

Fonte: Portal Imprensa

Segurança: Google oferece US$ 20 mil para hackear o Chrome

SÃO PAULO – O Google está oferecendo um prêmio de US$ 20 mil para quem conseguir explorar uma falha no navegador Chrome.

O desafio faz parte do concurso Pwn20wn 2011, promovido anualmente pelo Google entre hackers.

O competidor deve usar as vulnerabilidades apontadas no código do Google e também conseguir escapar do sandbox do Chrome – sistema que permite rodar aplicações no browser de forma segura e sem exploração de vulnerabilidades.

O hacker irá utilizar um notebook rodando sistemas Windows 7 ou Mac OS X para explorar as falhas.

Além do prêmio de U$S 20 mil, o Google também irá oferecer um exemplar do seu notebook CR-48 que roda o sistema operacional Chrome OS.

FONTE: INFO

Categorias:INFORMATICA