Archive

Archive for setembro \30\UTC 2013

Bijuteria feita a partir de restos de acrílico

 

Gonçalo Bexiga, 35 anos, e Fernando Brás, 32, juntaram-se para dar resposta a um desafio muito concreto: o que fazer com a matéria-prima não utilizada nos moldes e nas peças produzidos pela Acrilmolde? O procedimento habitual passa por triturar o material que sobra e vendê-lo para reciclagem. “Desta forma, desperdiçam-se toneladas de material em perfeitas condições e consome-se imensa energia desnecessariamente”, explica Fernando ao Green Savers.

A dupla decidiu então tentar dar um rumo alegre e colorido a esses materiais, criando a marca de acessórios em acrílico Fresh. Cumpre-se assim um ciclo ecológico na indústria e os desperdícios de uma empresa tornam-se na matéria-prima de outra.

Numa abordagem positiva, segundo a qual “a vida não tem de ser cinzenta”, a marca mostra que a reutilização é possível e traz um valor acrescentado às criações. A Fresh apresenta um leque de acessórios e bijuteria, com colecções constituídas por colares, anéis, pulseiras, brincos, clutchs e malas.

A base de todos os artigos é o acrílico, mas há complementos de outro tipo de materiais, como cortiça, metal e outras matérias recicladas. “Temos noção de que o acrílico é um tipo de plástico nada saudável para o meio ambiente, mas o nosso objectivo é a sua reutilização, ou seja, poupar o ambiente de pedaços soltos e sem utilidade que poderão persistir durante décadas”, afirma Fernando.

Uma das premissas do projecto é dar visibilidade ao talento português – nesse sentido, todas as criações são ideias de designers que propõem os seus trabalhos à marca. O preço dos artigos, todos com origem portuguesa, varia entre os €4 (R$ 12) e os €50 (R$ 148). Podem ser adquiridos através da loja online ou no LXMarket, onde a Fresh é presença assídua.

Fernando revela que, a curto prazo, é ambição da equipa aproximar-se do público com a abertura de uma loja própria. “Até lá, continuamos com o sonho de sermos diferentes a cada dia que passa e transmitir a felicidade que nos preenche ao fazer parte deste projeto”, acrescenta.

Fonte: green savers

ECODESIGN: Um capacete ecológico feito de madeira e cortiça

A Coyle é uma empresa de capacetes de madeira que começou como uma experiência de garagem e lentamente evoluiu para um negócio bem-sucedido. Sedeada em Corvallis, Oregon, nos Estados Unidos, a equipa usa uma concha de madeira e um sistema de amortecimento de cortiça para criar artigos originais, provenientes de fontes naturais.
De forma geral, o fabrico de produtos com base em materiais orgânicos é menos prejudicial do que com materiais sintéticos – o processo de fabrico, tal como qualquer lixo produzido, não é tóxico, ao contrário do que acontece com plásticos ou colas.
De acordo com o Inhabitat, na Coyle a maior parte da madeira utilizada advém de árvores que, de outra forma, se tornariam lenha ou seriam usadas em projectos artesanais. A empresa usa também subprodutos de moagem de madeira da indústria da construção.
O fundador, Dan Coyle, tem como ambição usar unicamente materiais orgânicos como os principais componentes dos seus artigos. Foi assim que começou a testar a cortiça para o acolchoamento das peças, ao contrário das tendências da indústria, acabando por descobrir que o material excedia os padrões de segurança exigido para capacetes.
Usar cortiça também lhe permitiu criar um produto verdadeiramente sustentável. Falamos de um produto que é recolhido manualmente dos sobreiros, sem danificar as árvores ou lhes reduzir o período de vida útil.
A Coyle surge assim como mais um óptimo exemplo de como repensar os processos de produção e fabrico na criação de produtos que conseguem ser bons e, ao mesmo tempo, amigos do ambiente.

Fonte: ecodesign

20130910-124456.jpg