Arquivo

Archive for setembro \10\UTC 2011

Ativistas do Greenpeace contra a exploração do petróleo em Abrolhos

Protesto na sede da OGX, petroleira de Eike Batista, contra exploração de petróleo em Abrolhos acaba em retirada forçada de ativistas do Greenpeace.


Acossados pela tropa de choque, privados de alimento e àgua e deixados no escuro, dezoito ativistas são retirados à força da sede da OGX, de Eike Batista, após nove horas de protesto pacífico.

Terminou em expulsão pela polícia as mais de nove horas de protesto do Greenpeace na sede da petroleira OGX, no Rio de Janeiro. Às 19h20 da noite do dia 31 de agosto, os dezoito ativistas que desde as 10h da manhã resistiam à tropa de choque e aos seguranças do bilionário Eike Batista em protesto pacífico contra exploração de petróleo em Abrolhos foram retirados à força. Eles foram impedidos de receber àgua e comida e tiveram a luz do prédio cortada.

Quinze ativistas fantasiados de baleias e outros três travestidos de funcionários da OGX, com borrifadores de óleo falso. Este era o time do Greenpeace. Do outro lado, dezenas de seguranças e uma tropa da polícia altamente armada, preparados para o confronto. Veja mais…

fonte: greenpeace.br

Categorias:ANIMAIS, ATIVISMO, ÉTICA

Invista na Feira para redução de doenças

A feira pode ser a sua farmácia! Além de nutritivos e saborosos, alguns alimentos e ervas ajudam a aliviar sintomas de doenças e incômodos como dor de cabeça, gases, TPM…

O poder dos alimentos para manter a saúde é comprovado, mas nem sempre a gente valoriza o que põe no prato. Problemas como insônia e TPM podem ser aliviados com o cardápio certo. O homeopata Paulo Rosenbaum, autor de Novíssima Medicina (Organon) diz “Como cada organismo é único, porém, nem todos reagem da mesma maneira”, “Se os sintomas persistem, o acompanhamento médico é indicado para individualizar o tratamento.”

RINITE ALÉRGICA

Ambientes fechados ou floriculturas são armadilhas para os alérgicos. O acúmulo de pó e o pólen das flores provocam espirros e coriza porque a mucosa nasal inflama e produz secreção para proteger o organismo. A nutricionista e fitoterapeuta Vanderlí Marchiori, de São Paulo, sugere o consumo de abacaxi e agrião. “Chamamos de alimentos mucolíticos: possuem substâncias que quebram o muco e facilitam a respiração.”

AZIA E GAZES

Uma xícara de chá de alecrim pela manhã reduz sintomas de azia. Sandra Chemin, do Centro Universitário São Camilo, em São Paulo, e autora do Tratado de Alimentação, Nutrição & Dietoterapia (Roca), explica que as propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias da erva protegem a mucosa estomacal. O alecrim ou espinheira-santa em infusão são ótimos para aliviar gases.

COLESTEROL

A maçã tem pectina, fibra que auxilia na diminuição do colesterol plasmático, um dos principais responsáveis por problemas cardiovasculares. E uma colher de aveia no cardápio diminui a absorção de gorduras e favorece sua eliminação. Mas Sandra adverte: colesterol alto exige corte radical de gorduras. Elimine frituras e troque o leite pelo leite de soja, por exemplo.

HIPERTENSÃO

Entre os fatores que podem provocar o aumento da pressão arterial, está a rigidez da parede das veias, dificultando a circulação sanguínea. Cigarro, stress, excesso de gordura e de sal podem disparar o problema. Andrea Bottoni, coordenador da equipe de nutrologia da Unidade Anália Franco do Hospital São Luiz, em São Paulo, aconselha a controlar o consumo de sódio, lembrando que “o sal está presente em alimentos industrializados e embutidos”. Vanderlí sugere incluir frutas vermelhas e amarelas no cardápio.

CÓLICAS

Uma xícara de chá de losna é a salvação para cólicas menstruais. A planta é encontrada em farmácias especializadas e tem óleos com capacidade anti-inflamatória e analgésica. Outra boa pedida é o chá de arruda.

INTESTINO PRESO

O segredo é ingerir fibras. Abóbora cozida, semente de linhaça e brócolis são ótimas fontes. As folhas verde-escuras, como escarola e almeirão, têm inulina, uma das fibras mais eficazes no estímulo da função intestinal. O farelo de aveia também é uma opção. Andrea Bottoni lembra que a principal causa do intestino preso é a má alimentação. “Troque salgadinhos, como esfiha, por frutas ou hortaliças.”

INSÔNIA E ANSIEDADE

Os alimentos não têm o poder de curar a insônia, mas podem aliviar o problema, com a ajuda do triptofano. Esse aminoácido, presente nas proteínas, quando associado ao carboidrato, favorece a produção de serotonina, neurotransmissor que participa da produção de melatonina, hormônio indutor do sono. O conselho é incluir arroz, pão integrais, nozes e lentilha no cardápio. Contra a ansiedade, uma receita saborosa: misture banana-nanica e iogurte(vegano), contêm triptofano, que age como um calmante natural.

DESÂNIMO

Pode parecer clichê, mas a melhor injeção de ânimo é um café da manhã completo. Uma mesa com cereais, fibras e frutas (frescas ou secas) pode ajudar a “acordar” a glândula suprarrenal, responsável pela regulação do cortisol, hormônio associado ao stress. Para estimular a oxigenação dos tecidos e garantir o entusiasmo, nas demais refeições inclua ferro e vitamina B, com alimentos como lichia e verduras de folhas escuras.

TENSÃO PRÉ-MENSTRUAL

“E studos comprovam os efeitos benéficos dos derivados da soja, como tofu, leite de soja ou missô, ingrediente da culinária japonesa, para suavizar as mudanças hormonais”, afirma Rosenbaum. Vanderlí sugere também adicionar frutas vermelhas ao lanche. Os dois grupos de alimentos auxiliam no equilíbrio do estrógeno e amenizam os sintomas da TPM. Sandra propõe complementar a dieta com fontes de vitamina B6, como batata, banana e cereais integrais, além de cálcio e magnésio, presente nas castanhas.

DEPRESSÃO

“O regime alimentar, nesse caso, precisa servir como estímulo para a pessoa voltar à vida criativa”, diz Rosenbaum. O homeopata destaca a importância de investigar a origem do problema, como anemias. Para evitar a falta de vitaminas e minerais, que acelera o processo depressivo, recomenda o consumo de frutas. A boa notícia para algumas pessoas é que chocolate amargo tem o mesmo papel. Ele contém anandamida, substância que diminui a sensação de tristeza e reduz os níveis de hormônio do stress.

Fonte: Planeta sustentável

Categorias:SAÚDE

Designer holandês cria canaleta para captar água da chuva

Designer simplifica processo da captação da chuva
Uma canaleta, capaz de armazenar até 5 litros de água, que já vem acoplada com torneira e regador é a invenção do holandês Bas van der Veer para facilitar o processo de captação do recurso

A água da chuva que cai nos nossos telhados quase sempre vai embora pelas sarjetas, sem nenhum aproveitamento. Mas esses litros de água poderiam ser usados em descarga de vasos sanitários, lavagem de pisos e irrigação de plantas.

Pensando em uma forma fácil e simples de reaproveitar esse recurso natural, o designer holandês Bas van der Veer desenvolveu uma canaleta que tem um reservatório capaz de armazenar de 3,5 a 5 litros (dependendo do modelo) de chuva. Para facilitar a tarefa da rega, a peça conta ainda com um regador acoplado.

Os modelos estão à venda apenas na Europa, mas dão um bom exemplo de como reutilizar a água que vai para as valetas.

Fonte: Vida Simples

Categorias:Ecodesign

Plantas que combatem a Poluição

Foto: Liana John (Philodendron sp.)


Para as pessoas já acostumadas com o excesso de concreto da paisagem urbana que troca árvores por calçadas de cimento, o pesquisador norteamericano Bill Wolverton escreveu um livro intitulado Plants, why can’t you live without them (Plantas, porque você não pode viver sem elas – Roli Books 2010) junto com o empresário japonês Kozaburo Takenaka, dono do maior negócio de leasing de plantas do mundo. Infelizmente, a obra ainda não foi traduzida para o português. A recomendação se estende também a How to grow fresh air (Como cultivar ar fresco), este só de Bill Wolverton, já traduzido em 15 idiomas (menos o português).

Os dois livros provam por A mais B a nossa imensa dependência das plantas. Não só para necessidades primárias – como comer e respirar – ou para obter medicamentos, resinas, fibras, cosméticos e demais produtos. Precisamos das plantas até para lidar com a poluição. Em especial, a poluição de interiores, bem mais ‘discreta’ e menos combatida do que a poluição das ruas, das chaminés de fábricas e dos escapamentos de veículos.

“Iniciei minhas pesquisas com plantas para filtrar o ar e a água há mais de 40 anos”, conta Bill Wolverton, em entrevista por email. “Para testar a eficácia na remoção dos poluentes de interiores, as plantas de cada espécies eram colocadas em um ambiente selado, uma câmara de testes na qual injetávamos um poluente por vez, medindo a capacidade da planta absorver ou destruir químicos como formaldeído, por exemplo”.

Tais experimentos foram realizados na Agência Espacial Americana (NASA), onde Wolverton foi pesquisador ambiental sênior durante 20 anos. Em 1990, ele se aposentou e montou sua própria empresa de consultoria, a Wolverton Environmental Services (WES), na qual continua desenvolvendo algumas pesquisas na mesma linha.

“Todas as plantas têm capacidade de remover algum poluente do ar, mas sua eficácia pode variar enormemente”, observa. “Em geral, as plantas de regiões tropicais úmidas são mais eficientes do que as de regiões áridas, pois possuem as mais altas taxas de transpiração”.

Entre as plantas brasileiras testadas por Wolverton e por ele recomendadas como excelentes ‘filtros vivos’ estão as folhagens ornamentais típicas de sub bosque, dos gêneros Spathiphyllum (como o lírio-da-paz); Philodendron (diversas espécies vulgarmente chamadas de filodendros) e Dieffenbachia (várias espécies conhecidas pelo mesmo nome: comigo-ninguém-pode).

Na opinião do especialista, estas plantas devem ser mantidas em todo escritório e qualquer prédio que permaneça fechado a maior parte do tempo. Elas são nossa defesa contra a contaminação por poluentes gerados pela operação de máquinas copiadoras ou pela evaporação de químicos perigosos contidos em produtos de limpeza, tintas, colas, carpetes e outras fontes. Esses poluentes não se dispersam porque permanecem ‘presos’ nos edifícios, eventualmente recirculando pelos sistemas de ventilação.

A forma mais eficiente de destruir os poluentes é cultivando as plantas ‘filtro’.

Mãos à obra, portanto: em nome de um ar saudável no ambiente de trabalho, troque alumínio e plástico por algumas aliadas da biodiversidade brasileira.

Fonte: biodiversa

Categorias:ECONOTÍCIAS, SAÚDE