Início > Uncategorized > Sobre a Ética Animal

Sobre a Ética Animal

et animal

 

 

Charles de Freitas Lima (ex-monge da ISKCON, professor de Educação Física e pós-graduado em Psicomotricidade), sobre ética animal. Confiram: 

 

Reflita: quando você ingere produtos de origem animal, usa vestimentas ou objetos que contenham couro animal, usa produtos testados em animais, tu tens consciência de que efeitos sua escolha tem sobre a vida dos animais? Refiro-me aos direitos deles. Direitos à liberdade. Por que aceitar facilmente certos costumes antiéticos sem questioná-los? Por que comer carne de frango, vaca ou porco enquanto inúmeras pessoas cuidam de gatos, cachorros e pássaros como animais domésticos? Se todos os animais sofrem, por que tanta indiferença? E não é só a questão do sofrimento que importa, porque mesmo que eles supostamente não sofressem, ainda assim os mesmos não nos pertencem. Para complementar o que estou dizendo, vou citar uma afirmação de Alice Walker, citada na frase do mês da Revista dos Vegetarianos (edição 9):

 

"Os animais do mundo existem para seus próprios propósitos. Não foram feitos para os seres humanos, do mesmo modo que os negros não foram feitos para os brancos, nem as mulheres para os homens."

(CLIVATI, 2007, p. 66).

 

Mediante tal raciocínio, por que não deveríamos substituir a alimentação de origem animal pela alimentação vegana, substituir as vestimentas e os objetos de couro animal por de couro vegetal, substituir os produtos testados em animais por produtos que passaram por testes substitutivos? O materialismo nos impõe um aglomerado de costumes antiéticos e várias pessoas os aceitam de uma maneira tão passiva. Os animais que uma pessoa supostamente civilizada não se atreveria a comer aqui no Brasil, como, por exemplo: cães e gatos, servem, quando mortos, para encher a pança de muitos chineses. Entretanto, os restos cadavéricos de vacas e bois, levando em consideração o mesmo raciocínio, servem também, quando mortos, para encher a barriga de muitos brasileiros. Será que isso é correto, já que qualquer animal é suscetível à dor e a outras sensibilidades intoleráveis? Assim como muitos indianos não concordam como vários brasileiros tratam as vacas e os bois, da mesma maneira, muitos brasileiros não concordam como vários chineses tratam os cães e os gatos. E quem tem a razão nisso tudo? Somente aqueles que tratam com “equanimidade” os animais humanos e os animais não-humanos. Será que pensar nessa questão é tão incômodo para não nos importarmos com isso e deixarmos esta reflexão pra lá? Ou não seria melhor deixarmos pra lá o comodismo de não refletir com agudeza crítica sobre esta questão?

Reconhecer os direitos humanos sem reconhecer os direitos animais é um condicionamento cristalizado pelos costumes antiéticos que a sociedade moderna nos impõe goela abaixo. É importante vivermos sem fraudes alimentícias, sem embustes de costumes ultrapassados e sem corrupção de testes laboratoriais. A equanimidade é uma qualidade nobre por excelência!

Bibliografia: CLIVATI, M. Frase do mês. Revista dos Vegetarianos. São Paulo, edição 9, p. 66, Editora Europa, 2007.

Anúncios
Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: